segunda-feira, 12 de novembro de 2018

1ª Grande Guerra - Armistício


Em Portugal, assim foi evocado o fim da 1ª Grande Guerra. A Alemanha rendeu-se aos Aliados depois de 4 anos e 3 meses de combates. Tinha-se perdido 80% da população europeia masculina entre os 15 e os 49 anos.
No dia 11 de novembro, pelas 11 horas, passou a vigorar o Armistício. O Armistício  foi considerado como o fim definitivo de todas as guerras. Depois desta não haveria mais nenhuma.
Nas aulas de História estudou-se este conflito e nas de Inglês o poema do médico canadiano John Mc Croe


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

José Saramago - 20 Anos

Foi há 20 anos, em Estocolmo, que o escritor português José Saramago, natural da Azinhaga - Golegã, viu consagrada a sua obra, sendo agraciado com o prémio Nobel da Literatura.
Pela 1ª vez um escritor de Língua Portuguesa.


Wook.pt - A maior flor do mundoWook.pt - A jangada de pedra      Wook.pt - Ensaio Sobre a Cegueira Wook.pt - Memorial do Convento

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Concurso de Marcadores de Páginas - Aurora Pinho

Em Homenagem de Gratidão à Professora Aurora Pinho, pelos relevantes serviços prestados ao longo de mais de 20 anos, nesta escola, pela sua contribuição e dedicação ao ensino e aos alunos.


1º Lugar
  • Mariana Sampaio - 8ºJ


Menções Honrosas
  • Mª Clara Fonte - 6ºC
  • Vasco Pinho - 6ºB



Obrigado!...

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Dia da Mãe

                               Ícone de N. Senhora da Ternura - artista anónimo do século XII

Mãe
Conheço a tua força, mãe, e a tua fragilidade. 
Uma e outra têm a tua coragem, o teu alento vital. 
Estou contigo mãe, no teu sonho permanente na tua esperança incerta 
Estou contigo na tua simplicidade e nos teus gestos generosos. 
Vejo-te menina e noiva, vejo-te mãe mulher de trabalho 
Sempre frágil e forte. Quantos problemas enfrentaste, 
Quantas aflições! Sempre uma força te erguia vertical, 
sempre o alento da tua fé, o prodigioso alento 
a que se chama Deus. Que existe porque tu o amas, 
tu o desejas. Deus alimenta-te e inunda a tua fragilidade. 
E assim estás no meio do amor como o centro da rosa. 
Essa ânsia de amor de toda a tua vida é uma onda incandescente.
Com o teu amor humano e divino 
quero fundir o diamante do fogo universal. 

António Ramos Rosa, in 'Antologia Poética'